quarta-feira, 16 de julho de 2008

APEGO E DEPENDÊNCIA

Para mim, uma das lições mais difíceis é viver livre de apego e dependência.
O exercício do desapego é ao mesmo tempo desafiador e uma das experiências mais expansivas e extraordinárias que experimento!
Lê-se por todo lugar que o apego pode destruir a felicidade.
Que livre de apego as suas ações serão caracterizadas pela sabedoria e você será então capaz de aproveitar plenamente tudo que a vida lhe oferece.
Como então lidar com tudo isso?
Como identificar e lidar com apegos e dependências?
Se “apego é uma programação emocional”, como diz Ken Keyes Jr., como alterar essa programação?
Aprendi que, quando tomo consciência do modo como o apego me domina, eu consigo exercitar e me re-programar para me libertar de padrões emocionais que estão automatizados e que me trazem tristeza, ansiedade, angústia, medo, etc.
Para isso observei que preciso estar amorosamente vigilante e, atenta aos meus pensamentos, às minhas palavras, aos meus sentimentos, às minhas emoções, e aos meus comportamentos/ações que geram resultados emocionais em meu dia a dia.
Ao invés de localizar fora de mim um culpado, eu me observo internamente, porque é lá dentro que brota de forma intuitiva tudo o que preciso entender e aprender para me re-programar.
O amor me auxilia a praticar isso, re-programando os apegos que me separavam da paz, serenidade, harmonia, firmeza de propósito e expansão progressiva da minha verdadeira essência.
Entendendo que o apego é um passo necessário à minha evolução e que me proporciona valorizar e exercitar o viver intensamente o agora, a assumir responsabilidade pelas minhas experiências aceitando-as com calma e serenidade e a aceitar plenamente a mim mesma como sou.
Dessa forma expando a tal ponto a minha essência, que consigo interpretar cada experiência como positiva, onde cada vez mais nenhum acontecimento da minha vida, nenhuma circunstância, nenhuma pessoa seja capaz de despertar em mim sentimentos de irritabilidade, depressão ou dúvida.
Com amor empreendo ações cada vez mais eficazes e serenas e pensamentos cada vez mais calmos.
Harmonizo com amor as minhas condutas de acordo com os desejos de minha própria alma e permaneço cada vez mais em estado de paz.
Com amor eu me dissocio da situação a uma distância que me permite ver mais claramente as atribulações do mundo e a ver mais clara e imparcialmente os meus apegos e as minhas limitações.
Sigo em comunhão harmoniosa com a minha essência, conquisto a minha liberdade, interpreto consciente e amorosamente cada fluxo da minha consciência, crio minhas frases construtivas e impulsionadoras e meus apegos pouco a pouco estão desaparecendo, sem apressar nada.
E nesse movimento amoroso abro meu coração para compartilhar com você a minha experiência de amor mais profundo já vivido por mim.
Sinta todo o livre fluxo do meu amor por você, para você e em você.

2 comentários:

Dcl disse...

Querida e amada Norma. Parabéns pelo tema escolhido e pela abordagem, sempre amorosa, que você dá a tudo. Como é bonito a gente ver e conhecer pessoas como você que escolheram determinado caminho e seguem nele em qualquer circunstância, revestindo todos os temas e pessoas com a sua roupagem. Amor. Pelo visto realmente o amor é a sua marca e a cada tema novo você vai passando para todos nós como faz a sua caminhada, a caminhada do amor. Quem tiver ouvido na certa ouvirá. Aqueles que tem olhos verão. E assim, com certeza, a fileira dos simpatizantes do amor aumentará, criando e expandindo mais um ponto de referência de algo genuinamente construtivo na face da terra. Continue firme Senhora Amor. Precisamos muito, mas muito mesmo, de pessoas como você, que tanto nos motiva, inspira e influencia positivamemente. Beijos, acima de tudo, de um fã, admirador e beneficiário pessoal e imediato da sua existência espiritual e física nessa vida. Dícler

Estefânia De Marchi Assunção disse...

Oba mamae querida! Mto interessante esse texto sobre o apego, e o anterior sobre o amor foi lindo! Obrigada por compartilhar suas experiências! Tenho conseguido bons resultado com a prática diária de meditação... Aparentemente ao invés de servir para parar de pensar, como eu imaginava antes, faz com que a mente se agite ainda mais! Então como você disse, "se observar amorosamente" é mto útil nesses momentos. O cérebro fica pensando e a gente só observa. Depois dá aquele alívio =] O pensamento parece que gasta de ficar funcionando livremente. Enfim, suas dicas estão sendo bem pertinentes! Beijo enorme da filhota!!! IstÊ!